Saudosismo Aéreo

Compartilhar

Relembrando atividades aeronáuticas em ótimos voos.

VOOS

É irreversível! Conforme antiga constatação entre pilotos, o primeiro voo contamina profundamente o iniciante, com inquieto e destemido “aero vírus”.

Não há “cura”! Voar se transforma em necessidade, prazer, satisfação e estímulo gratificante. Produz salutar emoção, impondo responsabilidade, respeito, organização e disciplina.

Sempre com enorme prazer, voei diversos aviões mostrados a seguir. Alguns somando significativos tempos de voo, outros, geralmente eventuais, por menor tempo.

Atualmente me resta recordar, relembrar e sentir muita falta, induzindo a listar as aeronaves que marcaram acentuadamente as lembranças dos voos, gerando grande saudosismo.

AVIÕES MAIS VOADOS

Beechcraft B18 Bimotor. Avião da segunda guerra mundial, popularmente conhecido como “Beech-Bi”, voado por boa temporada, proporcionando muitas horas no comando em ininterruptos sábados, domingos e feriados, lançando paraquedistas praticantes no Centro Nacional de Paraquedismo de Boituva, SP. A aeronave exibida na imagem é do mesmo tipo. Predominando a cor azul, o “Beech-Bi” voado tinha o prefixo “PT-KXN”.

Embraer EMB-711 Corisco. Intensamente voado para empresário de Sorocaba, comerciante de madeira. Para suas compras, sempre grandes, visitava madeireiras de alguns estados brasileiros, e dois países vizinhos. O prefixo da aeronave era “PT-NME”.

Embraer EMB 201 Ipanema. Voados alguns em pulverizações agrícolas na região da cidade de Ponta Grossa, PR, principalmente sobre plantações de soja. Diversos outros foram antes voados durante o curso de habilitação como piloto agrícola.

REMINISCÊNCIA – Este é o próprio Beechcraft B18 Bimotor – “Beech-Bi” – “PT-KXN” -, aeronave da segunda guerra mundial que, por boa temporada, voei no Centro Nacional de Paraquedismo, em Boituva – SP, lançando paraquedistas em ininterruptos sábados, domingos e feriados.

VOADOS EM PERÍODOS ESPECÍFICOS

Piper PA 23 Aztec Bimotor. Voado em São Paulo, capital, Campo de Marte, durante curso e “cheque de voo”, obtendo habilitação para comando de multimotores.

Piper PA 18. Alguns deles voados durante o curso de habilitação como piloto agrícola, precedendo os voos com os Embraer Ipanema.

VOADOS NO AEROCLUBE DE SOROCABA

Neiva P 56. Paulistinha prefixo “PP-HPO”, voado enquanto aluno em formação, depois também somando horas para habilitação como piloto comercial e instrutor de voos.

Paulistinha CAP 4. Dois deles, de prefixos “PP-HBL” e “PP-RRE”, voados enquanto aluno em formação. Depois somando horas para a habilitação como piloto comercial e instrutor de voos.

Cessna 172. Dois deles, prefixos “PT-AYK” e PT-BVO”, voados enquanto somando horas para habilitação como piloto comercial e instrutor de voos.

Bellanca Citábria – “PT-IRG”. Voado enquanto somando horas para a habilitação como piloto comercial e instrutor de voos.

Embraer EMB 710 – Carioca – “PT-NGS“. Voado enquanto somando horas para habilitação como piloto comercial e instrutor de voos.

Embraer EMB 712 – Tupi – “PT-RNV”. Voado enquanto somando horas para habilitação como piloto comercial e instrutor de voos.

VOADOS EVENTUALMENTE

Foram aeronaves voadas realizando traslados para oficinas de Sorocaba e/ou voando em “duplo comando”, para habilitação no tipo da aeronave.

Beechcraft Bonanza V 35. Voado em duplo comando e em uma navegação.

Piper Arrow PA 28. Voado em duplo comando de voo noturno, no Aeroporto Viracopos, em Campinas, SP.

Cessnas 150, 170 e 180. Voados em traslados, para oficinas de Sorocaba.

O “aero vírus” permanece presente, infelizmente em condição de saudosismo.

Paulo Dirceu Dias
paulodias@pdias.com.br
Sorocaba – SP
Agosto de 2023

Compartilhar